22 outubro 2008

paranoid android

Dizem os entendidos que esta música eram duas, havendo várias teorias que justificam o facto de ter sido editada como única. Essas teorias vão desde o uso ilícito de substâncias tóxicas no momento da edição até à intenção que o Thom Yorke tinha de compor uma ópera épica, dizendo ainda os mais simplistas que esta foi a única forma de uma canção poder fazer face à bohemian raphsody, dos queen. Embora seja evidente que a obra prima começa aos 3:30 min, o facto é que, duas ou uma, estamos perante a melhor música de todos os tempos. E, se se interpretar a conjugação música/imagem como arte (e eu interpreto) então estamos perante uma obra prima , duvido que ultrapassável. Assim, embora tardiamente, completo a triologia do Marco, concordando com ele que as outras duas melhores músicas deles são o no surprises e o lucky. E acabo interrogando-me como é que o Marco tem tão presente as melhores músicas de 1997, ano em que ele, quase ainda não havia nascido... :)

2 comentários:

marco costa disse...

tinha que agradecer este momento de tão solene e diferente... significando obviamente que a letra A deverá ser, sempre escrita por nós, com maiusculas...

obrigado pela correcção Barritos.
:)

agradecido pela letra A.

ivan disse...

não falta aí a exit music (for a a film)?

e a já agora a national anthem.

mas a do andróide é sem dúvida a melhor música de todos os tempos.