17 abril 2008

clubbing casa da musica - whip e kills

Largos dias depois do meu primeiro “clubbing” na casa da música encontrei tempo e vontade de contar a todos os transeuntes da estante o que lá (dentro da minha óptica) se passou.

The Whip – “X Mark Destination”

Estes moçitos de Manchester apareceram em grande na casa da música numa primeira aproximação ao seu novo albúm. A casa, esgotada há mais de duas semanas, recolheu os quarenta minutos de festa em relativa acalmia. Música dance-pop-rock electro qualquercoisinha ritmada e cheia de intenção, pautada pela batida enérgica da moçinha que, no entanto, pouco se fez ouvir. De notar a fraca “equalização” sonora e o transe hipnótico do o que revela demasiada poeira no “backstage”. Em suma musica fresquinha num primeiro albúm a considerar como das melhores estreias em zero oito.

The Kills – “Midnight Boom”

A maioria da sala 2 esperava pela “VV” e pelo “Hotel” tanto como eu. A ansia era moderada porque pela tarde já os tinha observado a dissecarem respectivos cigarros na escadaria principal da casa da música. Arrebataram o público com músicas dos três albúns sem contudo deixar de ser notório para mim que a maioria de nós estava la pelo “No Wow” de 2005. Publico entusiasmado com vontade de exprimir os impetos sexuais que pulsavam do palco… bastante ordeiro e lascivo como convém à ocasião. Afinal os Kills são a pura sensualidade pontuados por momentos de sexo brutal e… (deixa-me cá ver…) condescendente. A apresentação do novo album mereceu respostas muitos positivas para o duplo(?!) single U.R.A. Fever e Cheap And Cheerful.
Merecemos um final fantástico com “Goodnight Bad Morning“ e posteriormente um encore pulsante com nova repescagem a “No Wow”.

Três pontos finais:
1. A minha localização na plateia, entre amigos, intelectuais da escrita Y e moçinhas simpáticas redundou na objectiva redução de visibilidade para uma moçinha que estava atrás de mim a sorver o som mas não os movimentos. Peço desculpa, por ter dado cabo de 2/3 do teu bilhete… e acontece que eu nem sou alto… enfim.
2. Passei metade do concerto a imaginar a Polly Jean com as meias até ao pescoço a gritar a rid of me… embrulhada com a VV em palco… carago elas têm tanto em comum… e a VV é tão mais sensual quanto bruta!
3. Ponto alto para o Bruno, um amigo meu aqui do “burgo”, que afirmou perante um Hotel incrédulo que gostava muito da Kate Moss… ao que ele replicou “Me too!!!”

Finalmente! É mesmo bom ver concertos com gente civilizada "non abusers" dos morangos com açucar!... ah e não menos importante com Amigos...

6 comentários:

Preguiça disse...

só vi a ultima musica dos whip e pareceu-me bom.

the kills foi isso tudo que tu escreveste, é incrível como os dois sozinhos conseguem encher o palco, que nem é nada pequeno ali na sala 2. Por exemplo os 3 whip pareciam um bocado perdidos e estáticos naquela imensidão.

se a menina era simpática podias, com um simples movimento de rins e pés, deixa-la passar para a tua frente, era de cavalheiro .... :P

fui todo contente tentar ver a apresentação que o Sr. Álvaro Costa estava a fazer do documentário sobre os Wilco na sala roxa. Quando cheguei lá notei que os comentários do sr. eram em "tempo real" sobre o filme! Sou o único a achar isso estranho? Eu pensava que ele fazia uma introdução e depois no fim ficava lá a falar um bocado com o pessoal sobre aquilo. Deu-me vontade de dizer "Tá calado e deixa oubir!", mas como o resto do pessoal estava lá muito interessado eu achei que eu é que estava a ser esquisito e vim embora.

o próximo é einsturzende, já tenho bilhete e parece que já está esgotado, que se passa para isto esgotar assim?

Abraços

Bri disse...

Bem... Todos os comentários que tenho visto ao concerto assentam numa palavra entoada a alta voz:
sexual, sexual, sexual...
:)

João Santos disse...

gosto dos kills, tenho pena de n ter arranjado bilhete.tb tenho pena de n ir aos neubaten...ja esgotou...ainda assim no capitulo duplas que enchem o palco prefiro os white stripes...
e tb gosto bem mais da polly jean do que da vv,e para fazer inveja, fui dos poucos (500/600)a conseguir bilhete (gratis diga-se...) para o concerto no rivoli da dita senhora.concerto esse que começou com polly so em palco com a sua guitarra e 'rid of me' que simplesmente inflamou a assistencia...'I'll make you lick my injuries...'

Bri disse...

Eu fui dos 2000 que ficaram na fila imensa que se formou à porta do rivoli... :((((
lol
:)

JF disse...

Eu atesto quase tudo o que aqui disseste. Quanto à moçinha, não dei por ela, mas estava ocupado a tentar abstrair-me de distracções. É que os "intelectuais da escrita Y" falavam tão alto e chatevam tanto e todos à sua volta, que a concentração no concerto tornou-se tarefa complicada.

Abraço,
Caro Amigo

indigo des urtigues disse...

É muita emoção e lindo ver os kills em palco, tanta sensualidade..aiiii. brutal!:D

Lindo, foi tb dp encontrar o Jamie Hotel, num desse bares do porto..muita conversa, mt simpático! :)