18 setembro 2007

Hip Hop Classics (8)

'Se o r-a-p é a tua life
então faz isso bem
deita sangue e suor até chegares além
sê humilde bro, ainda não és ninguém
ainda não tens o skill para entrar no hall of fame'

Dr.Dre - The Chronic '92

Falar de hip hop é falar de Dr. Dre. Já aqui foi referenciado por várias vezes, e a sua seminal banda de inicio de carreira, os N.W.A, teve até direito a um excelente post do meu amigo João.
Mas se os N.W.A. estão por direito proprio na historia do hip hop e particularmente do gangsta rap, foi só no final da banda que Dr.Dre se assumiu como um monstro do hip hop.
Assim, no final dos anos 80, inicio dos 90 Dre, insatisfeito com as relações no seio da sua banda, já depois da saida de Ice Cube, talvez o melhor letrista do projecto, decide também embarcar numa carreira a solo, apoiado nos seus talentos imensos como produtor, cargo que nos N.W.A. divida com Dj Yella.
Para a sua aventura a solo, Dre desenvolveu um novo som, apoiado em samples de P-Funk, em especial do seu idolo George Clinton. Este som, aliado às letras de caracter gangsta viria a ficar conhecido como G-Funk e dominou as sonoridades da costa oeste americana durante a primeira metade dos anos 90. Para que a estrategia fosse completa, uma editora foi criada com Suge Knight, a Death Row Records.
O primeiro lançamento dessa editora foi precisamente 'The Chronic' que em calão de rua era sinonimo de erva. Album solido, de batidas contagiantes, o seu sucesso e influencia foram um marco no hip hop. De ai em diante, definitivamente o hip hop passou a ser considerado uma força de mercado, não havia outra hipotese depois de ver um album de letras tão duras atingir os tops de forma tão avassaladora e durante tanto tempo.
Mas se o talento de Dre como produtor e as suas inovadoras batidas têm parte do mérito nisso, uma outra parte deve-se a outra descoberta deste album e de Dre. Sabedor das suas limitações enquanto mc, Dre sempre procurou outras vozes para pelo menos partilhar as suas brilhantes produções. E neste album, a sorte sorriu-lhe. Atraves do seu familiar Warren G, tambem rapper, Dre travou conhecimento com Snoop Dogg, na altura ainda Snoop Doggy Dogg. A sua ultra caracteristica forma de debitar rimas, muito 'laid back' conquistou de imediato Dre e mais tarde facilmente tambem o publico americano e mundial. A participação de Snoop neste album é de tal forma marcante (12 de 16 faixas) que muitos pensam neste album como um album da dupla e não um trabalho a solo. Dê por onde der, um album historico, bem como os seus singles de sucesso ' Let me ride' ou 'Nothin' but a 'g' thang'. Mesmo com a sua mensagem muitas vezes (quase sempre...) agressiva, este é sempre associado a um ambiente de festa, é um 'party album', daqueles a que fica bem um videoclip com carros caros, mulheres e festa de quarteirão. Um marco historico.
Dre continuou sempre o seu percurso de sucesso, mesmo depois de abandonar a Death Row, apos as mortes de Tupac e Biggie Smalls. Fundou a sua propria editora, a Aftermath, descobriu Eminem (o maior sucesso do hip hop de sempre) e mais tarde juntamente com ele tambem descobriu e produziu 50 Cent (o segundo maior sucesso de sempre do hip hop), para alem de produzir metade do mundo do hip hop. Fez as pazes com Ice Cube, continuou sempre com Snoop Dogg, para o qual produziu o album de estreia e segundo maior marco do G-Funk 'Doggystyle' e lançou em 2001 o sucessor deste album de nome...'2001', que foi novamente um mega sucesso, originado a 'Up in Smoke Tour', que punha em palco Dre, Snoop, Eminem, Ice Cube e X-Zibit, a mais lucrativa digressão de hip hop de sempre.Para finais de 2007, inicios de 2008 é esperado o 3º album de Dre, de nome previsto 'Detox'. Mas já este ano houve produções para 50 Cent e o seu 3º album 'Curtis'

'One, two, three and to the fo'
Snoop Doggy Dogg and Dr. Dre is at the do'
Ready to make an entrance, so back on up
'Cause you know we're 'bout to rip shit up'
Word.

0 comentários: