02 julho 2007

Zen

Fundada em 1990 pelos dois membros dos Coldcut, a Ninja Tune, sediada em Inglaterra, tem vindo desde o primeiro lançamento a tornar-se numa das mais solidas editoras a operar dentro das margens da musica electonica. Muito cool desde o inicio, foi dando a conhecer projectos de trip-hop atmosferico, hip hop instrumental e ocasionalmente cantado (mais tarde viria a ser criada uma subsidiaria a Big Dada,que edita entre outros Roots Manuva , Ty, Spank Rock, Wiley, ou o entusiasmante projecto frances Ttc, que habitualmente colabora com os Modesektor, da Bpitch Control da berlinense Ellen Allien, so para o hip hop de caril vocal e novos aparentados: grime, crunk, etc) e de uma maneira geral todos os que optaram por uma opção mais ou menos jazz da electronica, partindo depois para diferentes sugestões de ritmo e espaço. Nomes como Amon Tobin, Clifford Gilberto, Cinematic Orchestra, Bonobo, Diplo, Dj Food, Dj Vadim, Herbaliser, Funki Porcini, Flanger, Jagga Jazzist, Kid Koala, Mr.Scruff, Up,Bustle and Out, ou Wagon Christ viram os seus nomes nos registos da casa e ajudaram a criar o bom nome da mesma.
Sem nunca perder um ritmo de edições por ano bastante prolifico, com muitos resultados exepcionais ao longo dos anos, a Ninja volta a atacar em 2007. O site e de qualidade e mostra de tudo. http://www.ninjatune.net/. Vale uma visita.

Um dos novos lançamentos deste ano é o novo de Amon Tobin, 'The Foley Room'.
Desde a estreia em 1996, ainda com o nome Cujo, mas ja na Ninja, com 'Adventures in Foam', passando pelos albuns em nome proprio, 'Bricolage'('97), 'Permutation'('98), 'Supermodified'(2000, o seu melhor trabalho), 'Out From Out Where'('02), a colaboração para a serie de mix-cds da editora, Solid Steel em 2004 e a banda sonora do video game de consolas e pcs bem equipados 'Splinter Cell 3 : Chaos Theory' em 2005, este brasileiro faz obras magnificas de corte-e-colagem com materias sonoras que evocam a seu tempo, paisagens de jazz, hip hop, trip hop, drum and bass, normalmente em toada claustrofobica mas com luzes a aparecerem trazendo esperança a sua musica. Bebel Gilberto chegou a fazer uma versão vocal de um tema seu, provando a aproximação a um genero tão distante como a bossa nova.
O novo album e o melhor desde 2000, com um Amon em grande forma. Ja saiu em Fevereiro, mas como as modas são outras nos media, foi tratado com pouco relevo ainda que com boas criticas em todas as publicações que li. Seria uma pena perder a importancia deste album, muito bem arquitectado. Como é habito na Ninja todo o trabalho grafico e visual é magnifico, o que so valoriza ainda mais o produto final.Zen.

1 comentários:

Marco Costa disse...

el sonido de Bristol!!!! Grandiosa ninja tune dos anos noventa... infelizmente já não é o que era...