28 maio 2007

live pt2

Acordo com 38.5 de febre, ainda falta a viagem de camioneta de 300 km, não vai ser fácil. Mas não posso faltar, não vou faltar. A viagem nem corre mal, a febre está a passar despercebida.
Fora da sala pessoas oferecem pequenas fortunas por um bilhete, mas não vou vender, não posso faltar. O concerto começa com euforia imediata, comunhão total entre banda e publico. A febre manifesta-se e tenho que abandonar a plateia e procurar um sitio mais recatado na bancada. É de lá que vejo Eddie trepar pelas torres de som no crescendo instrumental que irá levar à apoteose o publico. Não sinto a febre outra vez até regressar à camioneta.
'Porch', Pearl Jam, Dramático de Cascais, 1996

Capital da cultura. Um concerto de encomenda.
Um colectivo bem recente é convidado para sonorizar um filme-mudo, 'The Man With The Movie Camera'. A sala, cheia, recebe com surpresa os sons preparados para o efeito, enquanto absorve as imagens que vão desfilando rapidas, quem diria que este filme é tão antigo?
O final recebe 'standing ovation' e ela mantem-se ate que a banda regresse para tocar alguns dos temas do seu primeiro e à altura unico album. O jazz ganha novos adeptos.
'Ode To The Big Sea', The Cinematic Orchestra, Coliseu do Porto, 2001

Meses antes, voltei a ir sozinho a um concerto. Sem a insegurança da primeira vez, até já era dos mais velhos da plateia. Banda englobada, injustamente, numa moda que passou rapidamente, justamente.
Concerto energico, agressivo, muito suor na plateia. Devoção à banda que apresentava o seu ultimo registo que alargava o seu espectro de sons e passava para outro campeonato, que me tinha conquistado. Ao segundo tema já o vocalista fazia 'stage-diving' e depois voltaria a trepar pelas paredes da sala, levando os varios adolescentes presentes a loucura.
A mim fizeram-me ainda mais efeito os novos temas, hipnoticos.
'Feiticeira', Deftones, Coliseu do Porto, 2001

Anos e anos de amor ao hip-hop. Concertos? Nem vê-los se não contar com os portugueses. Os promotores demoraram uma eternidade a perceber o potencial desta musica. Nada de admirar.
Os primeiros nomes a virem pertencem ao hip-hop mais comercial, como seria de esperar. Para alem disso a capital é o destino de eleição e nada disso me espanta também. O que me espanta é estar no Porto, numa sala muito bem composta a ouvir este jovem prodigio a debitar as suas rimas numa atmosfera de festa, com varios visiveis conhecedores como eu. Finalmente vejo um dos meus preferidos do hip-hop e na altura certa e no Porto!
'I Luv U', Dizzee Rascal, Casa da Musica, 2007

Dez anos depois vou voltar a vê-los. Antes do concerto pouca emoção, que já não são tão importantes na minha vida como tinham sido.
Mas com o passar dos temas a emoção cresce e relembro porque gosto tanto deles, porque foram tão importantes. Sinto que a minha geração está ali, à minha volta, e que sabe de cor os temas como eu, vibra como eu. Talvez por isso o momento mais marcante, já em encore quando fazem uma cover já bem conhecida, com as luzes da sala acesas e todos a cantar e a poderem ver-se olhos nos olhos. Como um grande concerto de amigos para amigos. Consta que no dia seguinte repetiram o efeito. Obrigado.
'Baba O'Riley', Pearl Jam, Pavilhão Atlantico, 2006

1 comentários:

Nuno Guronsan disse...

Meu caro João, dez anos de diferença a marcarem dois grandes concertos, onde a música vale pela música e nada mais. E nós os dois estivémos lá. Também a mim me ofereceram uma fortuna pelo bilhete, também eu saltei e saltei com as luzes acesas. E agora fico um pouco nostálgico a ler as tuas palavras.

Um abraço.