02 novembro 2006

lhasa "the living road" (2003)


Conheci Lhasa num quarto de hotel acordado por um anjo de olhos azuis e pele clara. Desde logo aquela melodia celestial me cativou. Na altura foi-me mostrada a música "de cara a la pared" do album de estreia La Llorona. Lhasa de Sela tem uma voz incomum, densa e quente, que tanto transmite melancolia como alegria. Logo após o grande sucesso que o primeiro album obteve, Lhasa "fugiu" para França e ai se juntou a alguns elementos da sua numerosa família, trabalhando num circo. As viagens devem-lhe estar no sangue. Desde pequena que a sua família fazia uma vida de nómadas entre o México e os EUA. Aos 20 anos mudou-se para a parte francesa do Canadá e foi aí que começou a estabelecer contactos no mundo da música. De 1998 até 2003, passaram cinco anos de viagens circenses por terras gaulesas, das quais resultou o segundo albúm denominado "The Living Road". As letras das músicas reflectem essas experiências de vida, com canções em espanhol, inglês e francês. Fica aqui o video, de uma actuação ao vivo, da música "de cara a la pared" do primeiro albúm. Mais uma vez tive dificuldades em encontrar um registo sonoro ou audiovisual do album que vos apresento. Espero que gostem e que vos abra o apetite para explorar esta autêntica preciosidade!

4 comentários:

Marco Costa disse...

a mim foi o meu vizinho de baixo, que faz o favor de ser meu amigo, que há coisa de meia duzia de anos me mostrou a chorona! grande lembrança Mourita!

Bri disse...

:)
Pois a mim foi uma amiga quem me apresentou Lhasa de Sela! :) E sim, foi também a chorona... E como às vezes nao há amor como o primeiro, este continua a ser o albúm que mais me agrada...
Posso acrescentar que quando conheci a minha amiga me pediu para tentar descrever Lhasa pelo que imaginava da voz. E legitimamente ou não, imaginei uma mulher negra e robusta!
Mais tarde tive o prazer de a ver nessa casa fantástica que é a casa das artes de famalicão e não é a que ela é mesmo um encanto?!! :)

Nuno Moura disse...

pois ... o primeiro tem aquele sentimento especial por isso mesmo... por ser o primeiro. Mas tenho de reconhecer que o segundo está mais bem conseguido. é mesmo impressionante o vozeirão que sai de uma figura tão singela :) o concerto na casa das artes foi muito bom, carrgado de emoções :). adorei o violoncelo e os sons que a menina fazia com ele! Temo que esse palco não volte a ter tão ilustres bandas como até agora e lá teremos de ir ao theatro circo em braga para continuar a ver e ouvir preciosidades como esta :)

Bianca disse...

Ola Nunito! Bela escolha (como sempre)! Apaixonei-me no concerto no Palacio de Cristal há uns bons anos! O cello é magico (embora eu seja suspeita claro...)! Falando em teatro circo, vamos ver Lisa Germano? Ja reservei bilhetes para mim... :P queres boleia? ;) Beijocas